Intervenções Centradas Em Microbioma Para Condições De Saúde Dos Animais De Estimação

Filhote de cão e de gato

Evidências acumuladas sugerem que a microbiota intestinal ajuda a moldar o desenvolvimento neural normal, a bioquímica cerebral e o comportamento, e que a disbiose do micróbio intestinal desempenha um papel no desenvolvimento ou na progressão da ansiedade, do comprometimento cognitivo e da demência.1

O microbioma intestinal afeta a função e o comportamento do cérebro, e o cérebro, por sua vez, influencia o microbioma por meio da intercomunicação bidirecional. O termo "eixo intestino-cérebro" refere-se à comunicação bidirecional constante entre o trato gastrointestinal e o cérebro através do sistema nervoso entérico e do nervo vago, sistema nervoso simpático, eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, sistema imunológico e metabólitos microbianos. 1,2

A alteração do microbioma por meio de intervenções nutricionais tem o potencial de facilitar essa comunicação cruzada entre o intestino e o cérebro, e influenciar o comportamento e o humor. 2,3 O eixo intestino-cérebro desempenha um papel fundamental na regulação da alimentação e na homeostase da glicose,2 e, portanto, também pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da obesidade.

ícone de cérebro

Como colocar a ciência do microbioma em prática para a saúde do cérebro

Ícone do cérebro-intestino centrado no microbioma

A saúde do microbioma e a saúde cognitiva estão interligadas

Ciência relacionada

Um microbioma intacto e uma barreira intestinal são essenciais para manter um eixo intestino-cérebro saudável, e a disbiose intestinal e a disfunção da barreira intestinal têm sido associadas à neuroinflamação.1,2

O microbioma e a barreira intestinal são afetados pela idade, e essas mudanças desempenham um papel no comprometimento cognitivo e na demência relacionados à idade.1,2

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

A saúde intestinal é importante para a saúde do cérebro, e a disbiose intestinal pode aumentar o comprometimento cognitivo. Portanto, os esforços para manter e preservar a saúde do microbioma intestinal são importantes, especialmente em animais de estimação mais velhos, para proteger a saúde do cérebro e as habilidades cognitivas.

ícone de cachorro

O probiótico ajuda a manter um comportamento calmo em cães

Ciência relacionada

A inflamação gastrointestinal crônica pode induzir comportamentos semelhantes à ansiedade, e o probiótico Bifidobacterium longum NCC3001 (BL999) atua através do eixo intestino-cérebro para produzir efeitos ansiolíticos.3,4 Até 70% dos distúrbios comportamentais em cães podem ser atribuídos a alguma forma de ansiedade.5 O papel do clínico geral veterinário na identificação e tratamento dos problemas de comportamento de seus pacientes – como a ansiedade – é crucial.6 Os donos de animais de estimação podem não reconhecer todos os sinais de medo e ansiedade, ou podem chegar apenas quando o problema chegar ao ponto de crise.7 Em um estudo cruzado e cego, cães suplementados com B. longum BL999 foram menos reativos (indicado por níveis mais baixos de cortisol), mais calmos (indicados por frequências cardíacas médias mais baixas) e potencialmente em um estado emocional melhor (indicado pelo aumento da variabilidade da frequência cardíaca) ao experimentar estímulos que provocam ansiedade versus quando eles foram suplementados com placebo. Além disso, os cães apresentaram redução significativa em alguns comportamentos ansiosos quando suplementados com B. longum BL999, em comparação com quando foram suplementados com placebo.15

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

A cepa probiótica Bifidobacterium longum NCC3001 (BL999) pode reduzir comportamentos ansiosos, melhorar potencialmente o estado emocional e ajudar a manter um comportamento calmo em cães.

ícone de recipiente de ração azul

Melhora da epilepsia idiopática canina através da dieta

Ciência relacionada

O microbioma é um fator-chave da resposta às dietas cetogênicas em estudos com humanos e roedores.16-18

Uma dieta cetogênica à base de triglicerídeos de cadeia média reduziu significativamente a frequência de convulsões,19 reduziu comportamentos semelhantes ao TDAH,20 e alterou o metabolismo lipídico em cães com epilepsia idiopática canina refratária.21

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Uma dieta baseada em triglicerídeos de cadeia média (TCM) fornece uma ferramenta adicional para o manejo da epilepsia idiopática canina, oferecendo uma oportunidade para ajudar a gerenciar a epilepsia através do microbioma e do eixo intestino-cérebro. Mais informações sobre os TCMs estão disponíveis na seção de Condições cerebrais do nosso site.

Explore outras áreas do Fórum sobre Microbioma

fundamentos do microbioma

Fundamentos do microbioma

liderança da Nestlé

Liderança da Nestlé e da Purina em Microbioma

Saiba mais

  1. Wu, M.-L., Yang, X.-Q., Xue, L. Duan, W., & Du, J.-R. (2021). Age-related cognitive decline is associated with microbiota-gut-brain axis disorders and neuroinflammation in mice. Behavioural Brain Research, 402, 113125. doi:10.1016/j.bbr.2021.113125
  2. Richards, P., Thornberry, N. A., & Pinto, S. (2021). The gut-brain axis: Identification of new therapeutic approaches for Type 2 diabetes, obesity, and related disorders. Molecular Metabolism, 46, 101175. doi:10.1016/j.molmet.2021.101175
  3. Bercik, P., Verdu, E. F., Foster, J. A., Macri, J., Potter, M., Huang, X.,…Collins, S. M. (2010). Chronic gastrointestinal inflammation induces anxiety-like behavior and alters central nervous system biochemistry in mice. Gastroenterology, 139, 2102–2112. doi:10.1053/j.gastro.2010.06.063
  4. Bercik, P., Park, A. J., Sinclair, D., Khoshdel, A., Lu, J., Huang, X.,…Verdu, E. F. (2011). The anxiolytic effect of Bifidobacterium longum NCC3001 involves vagal pathways for gut-brain communication. Neurogastroenterology & Motility, 23(12), 1132–1139. doi: 10.1111/j.1365-2982.2011.01796.x
  5. Beata, C., Beaumont-Graff, E., Diaz, C. Marion, M., Massal, N., Marlois, N., Muller, G., & Lefranc, C. (2007). Effects of alpha-casozepine (Zylkene) versus selegiline hydrochloride (Selgian, Anipryl) on anxiety disorders in dogs. Journal of Veterinary Behavior, 2, 175–183.
  6. Stelow, E. (2018). Diagnosing behavior problems: A guide for practitioners. Veterinary Clinics of North America, 48(3), 339–350. doi:10.1016/ j.cvsm.2017.12.003
  7. Ballantyne, K. C. (2018). Separation, confinement, or noises: what is scaring that dog? Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, 48(3), 367–386. doi:10.1016/j.cvsm.20112.005
  8. Salman, M. D., Hutchison, J., Ruch-Gallie, R., Kogan, L., New, J. C., Kass, P. H., & Scarlett, J. M. (2000). Behavioral reasons for relinquishment of shelter dogs and cats to 12 shelters. Journal of Applied Animal Welfare Science, 3(2), 93–106.
  9. Tanaka, A., Wagner, D. C., Kass, P. H., & Hurley, K. F.. (2012). Associations among weight loss, stress, and upper respiratory tract infection in shelter cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, 240(5), 570–576. doi:10.2460/javma.240.5.570
  10. Landsberg, G., Hunthausen, W., & Ackerman, L. (2013). Behavior Problems of the Dog & Cat. Great Britain: Saunders Elsevier. pp. 181–182.
  11. Mills, D., Karagiannis, C., & Zulch, H. (2014). Stress – Its effects on health and behavior: A guide for practitioners. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, 44, 525–541.
  12. Mariti, C., Gazzano, A., Moore, J. L., Baragli, P., Chelli, L., & Sighieri, C. (2012). Perception of dogs’ stress by their owners. Journal of Veterinary Behavior, 7(4), 213–219.
  13. Seibert, L. M., & Landsberg, G. M. (2008). Diagnosis and management of patients presenting with behavior problems. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, 38, 937–950.
  14. Patronek, G. J., & Dodman, N. H. (1999). Attitudes, procedures, and delivery of behavior services by veterinarians in small animal practice. Journal of the American Veterinary Medical Association, 215(11), 1606–1611
  15. McGowan, R. T. S., Barnett, H. R., Czarnecki-Maulden, G., Si, X., Perez-Camargo, G. & Martin, F. Tapping into those ‘gut feelings’: Impact of BL999 (Bifidobacterium longum) on anxiety in dogs. ACVB Veterinary Behavior Symposium; July 12, 2018; Denver, Colorado.
  16. Zarnowska, I. M. (2020). Therapeutic use of the ketogenic diet in refractory epilepsy: What we know and what still needs to be learned. Nutrients, 12, 2616. doi:10.3390/nu12992616
  17. Cabrera-Mulero, A., Tinahones, A., Bandera, B., Moreno-Indias, I., Macias-González, M., & Tinahones, F. J. (2019). Keto microbiota: A powerful contributor to host disease recovery. Reviews in Endocrine and Metabolic Disorders, 20(4):415–425. doi:10.1007/s11154-019-09518-8
  18. Ma, D., Wang, A. C., Parikh, I, Greene, S. J., Hoffman, J. D., Chlipala, G.,…Lin, A.-L. (2018). Ketogenic diet enhances neurovascular function with altered gut microbiome in young healthy mice. Scientific Repots, 8, 6670. doi:10.1038/s41598-018-25190-5
  19. Law, T.H., Davies, E.S., Pan, Y., Zanghi, B., Want, E., Volk, H.A. (2015). A randomised trial of a medium-chain TAG diet as treatment for dogs with idiopathic epilepsy. British Journal of Nutrition, 114, 1438–1447. doi:10.1017/S000711451500313X Erratum in: British Journal of Nutrition, 2016; 115:1696.
  20. Packer, R. M. A., Law, T.H., Davies, E., Zanghi, B. M., Pan, Y., & Volk., H. A. (2016). Effects of a ketogenic diet on ADHD-like behavior in dogs with idiopathic epilepsy. Epilepsy & Behavior, 55, 62–68. doi: 10.1016/j.yebeh.2015.11.014
  21. Law, T. H., Volk, H. A., Pan, Y., Zanghi, B., & Want, E. J. (2018). Metabolic perturbations associated with the consumption of a ketogenic medium- chain TAG diet in dogs with epilepsy. British Journal of Nutrition, 13, 1–7. doi:10.1017/S0007114518001617