Nutrição e saúde do coração

mitocôndria e músculo
gráfico de nutrientes benéficos para a saúde do coração

A saúde cardíaca ideal depende do estado geral de saúde de um animal de estimação. Manter cães e gatos em condicionamento físico ideal é fundamental para o seu bem-estar. Incluir uma avaliação nutricional durante cada exame veterinário pode ajudar os tutores a cumprir essa meta de saúde para seus animais de estimação.

Para questões de saúde com foco no coração, a nutrição pode desempenhar um papel fundamental no apoio à função cardíaca. 

Leia mais para saber como nutrientes específicos podem afetar positivamente a saúde do coração.

gráfico de ácidos graxos
Adaptado de Lopaschuk et al., 2010 e 2017

Ácidos graxos

Esses nutrientes são o substrato primário utilizado pelas mitocôndrias para gerar energia para o coração, na forma de adenosina trifosfato (ATP).


No entanto, as mitocôndrias também são metabolicamente flexíveis — elas podem usar diferentes substratos para se adaptarem à disponibilidade de nutrientes, mudanças nas cargas de trabalho cardíacas ou alterações nas condições metabólicas. Outras fontes de energia incluem glicose, cetonas e aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA).1–3  

triglicérides de cadeia média

Triglicerídeos de Cadeia Média (MCTs por sua sigla em Inglês)

Os MCTs fornecem uma fonte de ácidos graxos de cadeia média (AGCMs). Com cadeias de carbono mais curtas, os AGCMs não requerem transportadores para serem absorvidos pelas mitocôndrias. Com menos etapas metabólicas envolvidas, os AGCMs são oxidados mais rapidamente em energia.4  

Estudos também mostraram que os MCTs podem reduzir as espécies reativas de oxigênio mitocondriais e citoplasmáticas, o que têm um impacto favorável na progressão da doença cardíaca.5-8  

ácidos graxos ômega 3

Ácidos graxos Ômega-3

A pesquisa mostra que os ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa, especialmente o ácido eicosapentaenóico (EPA), têm inúmeros benefícios cardíacos: ajudam a reduzir os mediadores inflamatórios e o estresse oxidativo, estabilizam arritmias cardíacas em cães, reduzem a pressão arterial e reduzem a remodelação na doença cardíaca.9-17

A caquexia cardíaca é comum em cães com insuficiência cardíaca congestiva, e a perda de massa corporal magra está associada a tempos de sobrevida significativamente mais curtos.18–19 A inflamação parece ser a causa ou contribuição para a caquexia. Assim, outro benefício do ômega-3 pode ser a diminuição dos efeitos adversos da inflamação na massa corporal magra.20-22

aminoácidos

Aminoácidos: taurina, lisina e metionina

A taurina é o aminoácido mais abundante no tecido cardíaco. Embora seu papel exato ainda não seja conhecido, estudos mostram que a taurina é importante para manter a homeostase e a contratilidade do músculo cardíaco.23–25 Em gatos, a taurina é um aminoácido essencial, no entanto, a deficiência de taurina pode levar à insuficiência miocárdica em cães e gatos.26  

A lisina e a metionina são precursores de aminoácidos para a síntese de carnitina, um peptídeo que ajuda a transportar ácidos graxos de cadeia longa para a mitocôndria para produção de ATP.27 

vitamina e

Vitamina E

As espécies reativas de oxigênio (ROS) são um resultado do metabolismo celular. No entanto, se as ROS se acumulam, o estresse oxidativo aumenta, causando danos à membrana celular, danos ao DNA e desnaturação de proteínas. O excesso de ROS também pode desencadear uma cascata de eventos moleculares que contribuem para doenças cardíacas. A vitamina E é um antioxidante celular que remove ROS e evita danos causados pelo estresse oxidativo.

Em condições de disfunção mitocondrial, que contribui para a insuficiência cardíaca, os níveis de ROS aumentam, aumentando a necessidade de antioxidantes.28-32 

magnésio

Magnésio

O magnésio tem vários papéis em manter a função cardíaca saudável, incluindo ações antiarrítmicas e antioxidantes. Nas células cardíacas, esse mineral também ajuda a transportar ATP. Nas pessoas, níveis inadequados de magnésio se correlacionam com insuficiência cardíaca e maior risco de distúrbios cardiovasculares.33-36

Pesquisa da Purina

pesquisa da purina

A pesquisa da Purina mostrou como a nutrição pode afetar positivamente o envelhecimento do coração.

Os corações mais velhos não se adaptam a doenças ou mudanças ambientais tão bem quanto os corações mais jovens. Estudos têm mostrado que aumentos em uma cascata molecular específica, chamada de via de sinalização Wnt/beta-catenina, estão entre as muitas mudanças associadas ao envelhecimento acelerado.37-39

gráfico do coração idoso

Os cientistas da Purina exploraram dados de publicações disponíveis sobre a expressão genética em corações idosos.40, 41

Esta abordagem computacional revelou que quatro genes para a via de sinalização  Wnt  foram regulados negativamente em corações idosos.  

No entanto, a intervenção dietética com restrição calórica ou suplementação com o antioxidante resveratrol restaurou as expressões genéticas aos níveis observados em corações jovens.42-43

Esta pesquisa mostrou como a nutrição pode afetar positivamente o envelhecimento do coração no nível molecular, o que levou a estudos que exploram as maneiras nas quais nutrientes específicos podem apoiar ou melhorar a função cardíaca. 

Principais pontos a serem lembrados

  • Muitos nutrientes têm benefícios reconhecidos para a saúde do coração.
  • Ácidos graxos são a principal fonte de ATP gerada por mitocôndrias de células cardíacas.
  • O estudo computacional da Purina mostra como a nutrição pode ter impactos positivos no envelhecimento do coração.

Explore as áreas de Transformando a saúde do coração:

Saiba mais

  1. Doenst, T., Nguyen, T. D., & Abel, E. D. (2013). Cardiac metabolism in heart failure: implications beyond ATP production. Circulation Research, 113(6), 709–724.
  2. Lopaschuk, G.D., Ussher, J.R., Folmes, C.D., Jaswal, J.S., & Stanley, W.C. (2010). Myocardial fatty acid metabolism in health and disease. Physiological Reviews, 90(1), 207–258.
  3. Lopaschuk, G. (2017). Metabolic Modulators in Heart Disease: Past, Present, and Future. Canadian Journal of Cardiology, 33, 838–849.
  4. Labarthe, F., Gélinas, R., & Des Rosiers, C. (2008). Medium-chain fatty acids as metabolic therapy in cardiac disease. Cardiovascular Drugs and Therapy, 22(2), 97–106.
  5. Bach, A.C., & Babayan, V.K. (1982). Medium-chain triglycerides: an update. American Journal of Clinical Nutrition, 36(5), 950–962.
  6. Finck, B. N., Han, X., Courtois, M., Aimond, F., Nerbonne, J. M., Kovacs, A., Gross, R. W., & Kelly, D. P. (2003). A critical role for PPARalpha-mediated lipotoxicity in the pathogenesis of diabetic cardiomyopathy: modulation by dietary fat content. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 100(3), 1226–1231.
  7. Labarthe, F., Khairallah, M., Bouchard, B., Stanley, W.C., & Des Rosiers, C. (2005). Fatty acid oxidation and its impact on response of spontaneously hypertensive rat hearts to an adrenergic stress: benefits of a medium-chain fatty acid. American Journal of Physiology-Heart and Circulatory Physiology, 288(3), H1425–36.
  8. Saifudeen, I., Subhadra, L., Konnottil, R., & Nair, R. R. (2017). Metabolic Modulation by Medium-Chain Triglycerides Reduces Oxidative Stress and Ameliorates CD36-Mediated Cardiac Remodeling in Spontaneously Hypertensive Rat in the Initial and Established Stages of Hypertrophy. Journal of Cardiac Failure, 23(3), 240–251.
  9. Bauer, J.E. (2006). Metabolic basis for the essential nature of fatty acids and the unique dietary fatty acid requirements of cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, 229(11), 1729–1732.
  10. Billman, G.E., Kang, J.X., & Leaf, A. (1999). Prevention of sudden cardiac death by dietary pure omega-3 polyunsaturated fatty acids in dogs. Circulation, 99(18), 2452–2457.
  11. Freeman, L.M., Rush, J.E., Kehayias, J.J., Ross, J.N. Jr, Meydani, S.N., Brown, D.J., … Roubenoff, R. (1998). Nutritional alterations and the effect of fish oil supplementation in dogs with heart failure. Journal of Veterinary Internal Medicine, 12(6), 440–448.
  12. Freeman, L.M. (2010). Beneficial effects of omega-3 fatty acids in cardiovascular disease. Journal of Small Animal Practice, 51(9), 462–470.
  13. Laurent, G., Moe, G., Hu, X., Holub, B., Leong-Poi, H., Trogadis, J., Connelly, K., Courtman, D., Strauss, B. H., & Dorian, P. (2008). Long chain n-3 polyunsaturated fatty acids reduce atrial vulnerability in a novel canine pacing model. Cardiovascular Research, 77(1), 89–97.
  14. London, B., Albert, C., Anderson, M. E., Giles, W. R., Van Wagoner, D. R., Balk, E., … Lathrop, D. A. (2007). Omega-3 fatty acids and cardiac arrhythmias: prior studies and recommendations for future research: a report from the National Heart, Lung, and Blood Institute and Office Of Dietary Supplements Omega-3 Fatty Acids and their Role in Cardiac Arrhythmogenesis Workshop. Circulation, 116(10), e320–e335.
  15. Smith, C.E., Freeman, L.M., Rush, J.E., Cunningham, S.M., & Biourge, V. (2007). Omega-3 fatty acids in Boxer dogs with arrhythmogenic right ventricular cardiomyopathy. Journal of Veterinary Internal Medicine, 21(2), 265–273.
  16. Wall, R., Ross, R. P., Fitzgerald, G. F., & Stanton, C. (2010). Fatty acids from fish: the anti-inflammatory potential of long-chain omega-3 fatty acids. Nutrition Reviews, 68(5), 280–289.
  17. Hansen, R. A., Ogilvie, G. K., Davenport, D. J., Gross, K. L., Walton, J. A., Richardson, K. L., Mallinckrodt, C. H., Hand, M. S., & Fettman, M. J. (1998). Duration of effects of dietary fish oil supplementation on serum eicosapentaenoic acid and docosahexaenoic acid concentrations in dogs. American Journal of Veterinary Research, 59(7), 864–868.
  18. Ineson, D. L., Freeman, L. M., & Rush, J. E. (2019). Clinical and laboratory findings and survival time associated with cardiac cachexia in dogs with congestive heart failure. Journal of Veterinary Internal Medicine, 33(5), 1902–1908.
  19. Freeman, L.M. (2012). Cachexia and sarcopenia: emerging syndromes of importance in dogs and cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, 26(1), 3–17.
  20. Dupont, J., Dedeyne, L., Dalle, S., Koppo, K., & Gielen, E. (2019). The role of omega-3 in the prevention and treatment of sarcopenia. Aging Clinical and Experimental Research, 31(6), 825–836.
  21. Gorjao, R., Dos Santos, C., Serdan, T., Diniz, V., Alba-Loureiro, T. C., Cury-Boaventura, M. F., Hatanaka, E., Levada-Pires, A. C., Sato, F. T., Pithon-Curi, T. C., Fernandes, L. C., Curi, R., & Hirabara, S. M. (2019). New insights on the regulation of cancer cachexia by N-3 polyunsaturated fatty acids. Pharmacology & Therapeutics, 196, 117–134.
  22. Robinson, S. M., Reginster, J. Y., Rizzoli, R., Shaw, S. C., Kanis, J. A., Bautmans, I., … Cooper, C., & ESCEO working group (2018). Does nutrition play a role in the prevention and management of sarcopenia? Clinical Nutrition (Edinburgh, Scotland), 37(4), 1121–1132.
  23. Sanderson S. L. (2006). Taurine and carnitine in canine cardiomyopathy. The Veterinary Clinics of North America. Small Animal Practice, 36(6), 1325–viii.
  24. Schaffer, S., Solodushko, V., & Azuma, J. (2000). Taurine-deficient cardiomyopathy: role of phospholipids, calcium and osmotic stress. Advances in Experimental Medicine and Biology, 483, 57–69.
  25. Schaffer, S. W., Jong, C. J., Ramila, K. C., & Azuma, J. (2010). Physiological roles of taurine in heart and muscle. Journal of biomedical science, 17, Suppl 1(Suppl 1), S2.
  26. Pion, P.D., Kittleson, M.D., Rogers, Q.R., & Morris, J.G. (1987). Myocardial Failure in Cats Associated with Low Plasma Taurine: A Reversible Cardiomyopathy. Science, 237, 764–768.
  27. Wang, Z., Liu, Y., Liu, G., Lu, H., Mao, C. (2018). L-Carnitine and heart disease. Life Sciences, 184, 88-97.
  28. Birringer, M., & Lorkowski, S. (2019). Vitamin E: regulatory role of metabolites. International Union of Biochemistry and Molecular Biology, Life, 71(4), 479–486.
  29. Michałek, M., Tabiś, A., Cepiel, A., & Noszczyk-Nowak, A. (2020). Antioxidative enzyme activity and total antioxidant capacity in serum of dogs with degenerative mitral valve disease. Canadian Journal of Veterinary Research, 84(1), 67–73.
  30. Pryor, W. A. (2000). Vitamin E and heart disease: basic science to clinical intervention trials. Free radical biology & medicine, 28(1), 141–164.
  31. Sagols, E., & Priymenko, N. (2011). Oxidative stress in dog with heart failure: the role of dietary fatty acids and antioxidants. Veterinary Medicine International, 2011, 180–206.
  32. Sozen, E., Demirel, T., & Ozer, N.K. (2019). Vitamin E: regulatory role in the cardiovascular system. International Union of Biochemistry and Molecular Biology Life, 71(4), 507–515.
  33. Del Gobbo, L.C., Imamura, F., Wu, J.H., de Oliveira Otto, M.C., Chiuve, S.E., & Mozaffarian, D. (2013). Circulating and dietary magnesium and risk of cardiovascular disease: a systematic review and meta-analysis of prospective studies. American Journal of Clinical Nutrition, 98(1), 160–173.
  34. Freeman, L.M., Rush, J.E., & Markwell, P.J. (2006). Effects of dietary modification in dogs with early chronic valvular disease. Journal of Veterinary Internal Medicine, 20, 1116–1126.
  35. Qu, X., Jin, F., Hao, Y., Li, H., Tang, T., Wang, H., Yan, W., & Dai, K. (2013). Magnesium and the risk of cardiovascular events: a meta-analysis of prospective cohort studies. PloS one, 8(3), e57720.
  36. Tardy, A.L., Pouteau, E., Marquez, D., Yilmaz, C., & Scholey, A. (2020). Vitamins and Minerals for Energy, Fatigue and Cognition: A Narrative Review of the Biochemical and Clinical Evidence. Nutrients, 12(1). pii: E228.
  37. Brack, A. S., Conboy, M. J., Roy, S., Lee, M., Kuo, C. J., Keller, C., & Rando, T. A. (2007). Increased Wnt signaling during aging alters muscle stem cell fate and increases fibrosis. Science (New York, N.Y.), 317(5839), 807–810.
  38. Liu, H., Fergusson, M. M., Castilho, R. M., Liu, J., Cao, L., Chen, J., … Finkel, T. (2007). Augmented Wnt signaling in a mammalian model of accelerated aging. Science (New York, N.Y.), 317(5839), 803–806.
  39. Marchand, A., Atassi, F., Gaaya, A., Leprince, P., Le Feuvre, C., Soubrier, F., Lompré, A. M., & Nadaud, S. (2011). The Wnt/beta-catenin pathway is activated during advanced arterial aging in humans. Aging Cell, 10(2), 220–232.
  40. Li, Q., & Hannah, S. S. (2012). Wnt/β-catenin signaling is downregulated but restored by nutrition interventions in the aged heart in mice. Archives of Gerontology and Geriatrics, 55(3), 749–754.
  41. Barger, J. L., Kayo, T., Vann, J. M., Arias, E. B., Wang, J., Hacker, T. A., Wang, Y., Raederstorff, D., … Prolla, T. A. (2008). A low dose of dietary resveratrol partially mimics caloric restriction and retards aging parameters in mice. PloS one, 3(6), e2264.