Doenças cardíacas

coração anatômico
A doença cardíaca é um dos distúrbios mais comuns em cães e gatos.

Estudos relatam que aproximadamente 10% dos cães e 15% dos gatos têm doença cardíaca. A maioria dos gatos sofre de cardiomiopatias. Em cães, as raças menores são mais propensas a ter Doença Mixomatosa da Valva Mitral (DMVM), enquanto as raças maiores tendem a desenvolver cardiomiopatia dilatada.1-4 

Apesar de terem doenças cardíacas, gatos e cães costumam parecer saudáveis até que o coração falhe. Os estágios iniciais da doença podem passar despercebidos, a menos que os animais de estimação sejam diagnosticados durante um exame veterinário agendado por um motivo não cardíaco.1, 5, 6

O Colégio Americano de Medicina Veterinária Interna (ACVIM) identifica quatro estágios de doença cardíaca em gatos com cardiomiopatia ou cães com Doença Mixomatosa da Valva Mitral (DMVM). Cada estágio é baseado em exames clínicos e ecocardiográficos e, em seguida, vinculado ao tratamento direcionado ao gerenciamento de sinais clínicos. A identificação precisa do estágio da doença cardíaca é importante para o tratamento e o prognóstico.1, 7  

A insuficiência cardíaca refere-se aos sinais clínicos que se desenvolvem quando o coração não consegue mais bombear sangue o suficiente para atender às necessidades do corpo. Uma vez que a insuficiência cardíaca congestiva (ICC) se desenvolve, os animais de estimação têm uma sobrevida significativamente mais curta.4, 8, 9

Continue lendo para saber mais sobre pesquisas que podem ajudar os veterinários a prever melhor a progressão das doenças cardíacas ou encontrar novas funções para os nutrientes em animais de estimação com doenças cardíacas.     

75% dos cães com doença cardíaca têm DMVM e a CMH representa mais de 50% < 1% of heart disease is congenital in mixed breed dogs and cats

A maioria dos gatos com doença cardíaca tem cardiomiopatia hipertrófica (CMH), doença miocárdica caracterizada por hipertrofia ventricular esquerda que não é causada por outras condições médicas. Sem um ecocardiograma, os gatos frequentemente escapam da detecção nos estágios iniciais da doença, pois podem não ter um sopro cardíaco suspeito ou apresentar sinais clínicos até que desenvolvam insuficiência cardiaca congestiva (ICC) ou apresentem paralisia por tromboembolismo aórtico (TEA).4 

Os gatos com CMH são geralmente os mais velhos, do sexo masculino e têm sopro sistólico alto. A maioria também é de gatos de raças misturadas, embora algumas raças, como Maine Coon e Ragdoll, apresentem maior risco em razão de mutações genéticas subjacentes.12

gato amarelo com pelo longo
Estágios de cardiomiopatia felina segundo o ACVIM

A apresentação e o resultado da cardiomiopatia felina são extremamente variáveis. No entanto, cerca de 30% progridem para insuficiência cardíaca. Em geral, quanto mais grave a dilatação do átrio esquerdo, maior o risco de episódios tromboembólicos arteriais (TEA) e ICC.

O cuidado de gatos com ICC é baseado no gerenciamento dos sinais clínicos, como edema pulmonar e função cardíaca. As recomendações nutricionais concentram-se em manter a ingestão calórica dos gatos, evitando dietas ou petiscos com alto teor de sódio, suplementação de ácidos graxos ômega-3 para a saúde do coração, e monitorar os níveis séricos de potássio.7,13

cachorro pequeno

Assim como os gatos com cardiomiopatia em estágio inicial, os cães com Doença Mixomatosa da Valva Mitral (DMVM) em estágio inicial também parecem saudáveis. A DMVM é geralmente detectada durante um exame de rotina, quando um sopro sistólico apical esquerdo é auscultado.1, 5   

 

 

Estágios de DMVM em cães segundo o ACVIM

A progressão da DMVM também é difícil de prever, e a dilatação do átrio esquerdo é um dos indicadores mais confiáveis do avanço da doença cardíaca. Em comparação com os cães com DMVM em estágio inicial, aqueles que apresentam insuficiência cardíaca congestiva têm tempos de sobrevida mais curtos.8, 14–16

Pesquisa da Purina

cachorro

Os biomarcadores podem fornecer pistas importantes sobre a progressão da doença. Em condições cardíacas como DMVM, os estágios avançados são um risco para insuficiência cardíaca. Os cientistas da Purina estudaram o microRNA em cães com DMVM para avaliar o potencial de novos biomarcadores.

Os cientistas da Purina analisaram 277 perfis de expressão de miRNA circulantes de cães em todos os estágios da DMVM, de cães normais a aqueles com insuficiência cardíaca congestiva.17 

Embora pesquisas adicionais sejam necessárias, os resultados sugerem que alguns miRNAs circulantes podem ser biomarcadores para diagnóstico, prognóstico ou resposta de monitoramento ao tratamento da DMVM em cães.

MicroRNAs (miRNAs) são pequenas moléculas de RNA não-codificados que são potenciais biomarcadores não invasivos para doenças cardíacas. 

Usando as diretrizes do ACVIM para cães com DMVM, os pesquisadores colocaram 18 cães de várias raças em três grupos de seis cães cada. 

Os resultados mostraram que os cães nos estágios B, C ou D tinham 11 miRNAs que foram expressos diferencialmente em comparação aos cães saudáveis no estágio A. 

Entre os 11 miRNAs expressos diferencialmente,  
6 miRNAs foram significativamente diferentes entre os cães no estágio B1/B2 e aqueles no estágio C ou D.

As mudanças na expressão gênica também foram maiores à medida que a gravidade da DMVM aumentava.

estágios do cachorro

Principais pontos a serem lembrados

  • O esquema de classificação do Colégio Americano de Medicina Veterinária Interna identificou quatro estágios de doenças cardíacas em gatos com cardiomiopatias e em cães Doença Mixomatosa da Valva Mitral (DMVM).
  • A progressão da doença cardíaca pode ser imprevisível, e os animais de estimação costumam parecer normais nos estágios iniciais da doença cardíaca.
  • Encontrar novos biomarcadores para DMVM, como miRNA, pode melhorar o diagnóstico precoce para cães com essa doença cardíaca.

Explore as áreas de Transformando a saúde do coração:

Saiba mais

  1. Keene, B. W., Atkins, C. E., Bonagura, J. D., Fox, P. R., Häggström, J., Fuentes, V. L., Oyama, M. A., Rush, J. E., Stepien, R., & Uechi, M. (2019). ACVIM consensus guidelines for the diagnosis and treatment of myxomatous mitral valve disease in dogs. Journal of Veterinary Internal Medicine, 33(3), 1127–1140.
  2. Buchanan, J.W. Prevalence of cardiovascular disorders. In: Fox P.R, Sisson D.D, Moise N.S, editors. Textbook of Canine and Feline Cardiology: Principles and Clinical Practice. 2nd ed. Philadelphia, PA: WB Saunders; 1999. pp. 457–470.
  3. Payne, J. R., Brodbelt, D. C., & Luis Fuentes, V. (2015). Cardiomyopathy prevalence in 780 apparently healthy cats in rehoming centres (the CatScan study). Journal of Veterinary Cardiology: the official journal of the European Society of Veterinary Cardiology, 17 Suppl 1, S244–S257.
  4. Fox, P. R., Keene, B. W., Lamb, K., Schober, K. A., Chetboul, V., Luis Fuentes, V., … Tachika Ohara, V. Y. (2018). International collaborative study to assess cardiovascular risk and evaluate long-term health in cats with preclinical hypertrophic cardiomyopathy and apparently healthy cats: The REVEAL Study. Journal of Veterinary Internal Medicine, 32(3), 930–943.
  5. Côté, E., Edwards, N.J., Ettinger, S.J., Fuentes, V.L., MacDonald, K.A., Scansen, B.A., Sisson, D.D., & Abbott, J.A. (2015). Management of incidentally detected heart murmurs in dogs and cats. Journal of Veterinary Cardiology, 17(4), 245–261.
  6. Loughran, K. A., Rush, J. E., Rozanski, E. A., Oyama, M. A., Larouche-Lebel, É., & Kraus, M. S. (2019). The use of focused cardiac ultrasound to screen for occult heart disease in asymptomatic cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, 33(5), 1892–1901.
  7. Luis Fuentes, V., Abbott, J., Chetboul, V., Côté, E., Fox, P. R., Häggström, J., Kittleson, M. D., Schober, K., & Stern, J. A. (2020). ACVIM consensus statement guidelines for the classification, diagnosis, and management of cardiomyopathies in cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, 34(3), 1062–1077.
  8. Borgarelli, M., & Buchanan, J.W. (2012). Historical review, epidemiology and natural history of degenerative mitral valve disease. Journal of Veterinary Cardiology, 14(1), 93–101.
  9. Rush, J. E., Freeman, L. M., Fenollosa, N. K., & Brown, D. J. (2002). Population and survival characteristics of cats with hypertrophic cardiomyopathy: 260 cases (1990–1999). Journal of the American Veterinary Medical Association, 220(2), 202–207.
  10. MacDonald, K. Feline cardiomyopathy. In: Smith, F.W.K., Tilley, L.P., Oyama, M.A., & Sleeper, M.M, editors. Manual of Canine and Feline Cardiology. 5th ed. Saint Louis, MO: Elsevier; 2016. pp. 153.
  11. Schrope, D. P. (2015). Prevalence of congenital heart disease in 76,301 mixed-breed dogs and 57,025 mixed-breed cats. Journal of Veterinary Cardiology: the official journal of the European Society of Veterinary Cardiology, 17(3), 192–202.
  12. Gil-Ortuño, C., Sebastián-Marcos, P., Sabater-Molina, M., Nicolas-Rocamora, E., Gimeno-Blanes, J. R., & Fernández Del Palacio, M. J. (2020). Genetics of feline hypertrophic cardiomyopathy. Clinical Genetics, 10.1111/cge.13743.
  13. Freeman, L. M. & Rush, J. Nutrition in Cardiovascular Disorders. In: Smith, F.W.K., Tilley, L.P., Oyama, M.A., & Sleeper, M.M, editors. Manual of Canine and Feline Cardiology. 5th ed. Saint Louis, MO.: Elsevier; 2016. Pp. 394–403.
  14. Ettinger, S. J., Benitz, A. M., Ericsson, G. F., Cifelli, S., Jernigan, A. D., Longhofer, S. L., Trimboli, W., & Hanson, P. D. (1998). Effects of enalapril maleate on survival of dogs with naturally acquired heart failure. The Long-Term Investigation of Veterinary Enalapril (LIVE) Study Group. Journal of the American Veterinary Medical Association, 213(11), 1573–1577.
  15. Häggström, J., Boswood, A., O'Grady, M., Jöns, O., Smith, S., Swift, S., … DiFruscia, R. (2008). Effect of pimobendan or benazepril hydrochloride on survival times in dogs with congestive heart failure caused by naturally occurring myxomatous mitral valve disease: the QUEST study. Journal of Veterinary Internal Medicine, 22(5), 1124–1135.
  16. Mattin, M. J., Boswood, A., Church, D. B., McGreevy, P. D., O'Neill, D. G., Thomson, P. C., & Brodbelt, D. C. (2015). Degenerative mitral valve disease: Survival of dogs attending primary-care practice in England. Preventive Veterinary Medicine, 122(4), 436–442.
  17. Li, Q., Freeman, L. M., Rush, J. E., & Laflamme, D. P. (2015). Expression Profiling of Circulating MicroRNAs in Canine Myxomatous Mitral Valve Disease. International Journal of Molecular Sciences, 16(6), 14098–14108.