Intervenções Centradas Em Microbioma Para Condições De Saúde Dos Animais De Estimação

Filhote de cão e de gato

O microbioma intestinal desempenha papéis críticos na digestão, absorção de nutrientes e saúde do hospedeiro.

Manter ou restaurar a saúde do microbioma intestinal pode ajudar a prevenir e gerenciar muitos distúrbios gastrointestinais.

ícone de digestão

Como colocar a ciência do microbioma em prática para a saúde gastrointestinal

ícone de lupa

Os probióticos podem minimizar os efeitos antimicrobianos no microbioma intestinal

Ciência relacionada

Antibióticos como metronidazol e amoxicilina-clavulanato alteram o microbioma, e essas alterações podem persistir após a descontinuação dos antibióticos.1,2

A administração da cepa probiótica E. faecium SF68, em combinação com uma dieta terapêutica especificamente formulada para distúrbios intestinais, melhorou a diarreia após 14 dias em cães com sinais clínicos consistentes com supercrescimento bacteriano no intestino delgado ou diarreia responsiva a antibióticos, em comparação com a dieta terapêutica isolada.5

A cepa probiótica Enterococcus faecium SF68 não é afetada pelo metronidazol, um antibiótico comumente usado para tratar cães com diarreia.6

Suplementação com E. faecium SF68 durante a administração de amoxicilina-clavulanato a gatos resultou em menos gatos desenvolvendo diarreia grave, consistência fecal melhorada e menor pontuação total de diarreia em comparação com gatos que receberam placebo.2

O uso de um simbiótico (Enterococcus faecium SF68 e psyllium) reduz a gravidade da diarreia e pode diminuir o tempo de resolução da diarreia felina associada à administração de amoxicilina-clavulanato.7

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Antibióticos como metronidazol e amoxicilina-clavulanato podem ter impactos negativos duradouros no microbioma e seu uso deve ser evitado, a menos que seja necessário e com os princípios de administração antimicrobiana em mente.3,4

Para cães com sinais clínicos consistentes com diarreia responsiva a antibióticos ou crescimento bacteriano do intestino delgado, o probiótico E. faecium SF68, combinado com uma dieta terapêutica, melhora a diarreia sem a administração de antibióticos. Considere tentar essa abordagem antes de administrar antimicrobianos nesses casos.

O metronidazol não inativa o probiótico E. faecium SF68, tornando o probiótico adequado para coadministração. Ao administrar amoxicilina-clavulanato a gatos, a administração de E. faecium SF68 ou um simbiótico (E. faecium SF68 e psyllium) ajuda a mitigar a diarreia.

reduzir flatulência

O probiótico pode reduzir a flatulência

Ciência relacionada

A suplementação de dietas caninas com E. faecium SF68 reduziu significativamente o número de eventos/emissões de flatos e a quantidade máxima de sulfeto de hidrogênio liberado.8

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Quando um cliente se queixa da flatulência de seu cão, considere administrar um curso de E. faecium SF68 para reduzir a frequência e o mau cheiro.

reduzir a diarreia

O probiótico pode reduzir a diarreia em filhotes de gato

Ciência relacionada

A suplementação com a cepa probiótica E. faecium SF68 foi associada a menor incidência e duração de diarreia natural, níveis séricos mais elevados de anticorpos IgA em filhotes de gato.9

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Administrar o probiótico E. faecium SF68 pode reduzir a diarreia em filhotes de gato.

ícone de saúde intestinal

Prebióticos melhoram a saúde intestinal

Ciência relacionada

A inclusão de chicória na dieta dos cães aumentou as espécies de Bifidobactéria e melhorou a digestibilidade da dieta. A resposta foi variável, com alguns cães respondendo em 7 dias, mas outros precisando de 21 dias.10

Os cães alimentados com chicória ou frutoigossacarídeos (FOS) apresentaram significativamente mais bifidobactérias fecais, menos Clostridia fecal e aumento dos níveis de ácidos graxos de cadeia curta benéficos.11

Suplementar as dietas de cães idosos com prebióticos (inulina, manano-oligossacarídeo sozinho ou em combinação) melhorou as pontuações fecais e produziu mudanças benéficas no microbioma.12

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Os prebióticos (como inulina e frutooligossacarídeos) podem melhorar o equilíbrio do microbioma e a digestibilidade dos alimentos e aumentar a produção de ácidos graxos de cadeia curta benéficos. Aguarde pelo menos 3 semanas para determinar a eficácia da mudança na dieta.

equilíbrio do microbioma

Os probióticos melhoram o equilíbrio do microbioma

Ciência relacionada

Cães alimentados com dieta seca suplementada com o probiótico Bacillus coagulans GBI-30 6086 (BC30) aumentaram a diversidade e riqueza microbiana fecal em comparação com cães alimentados com placebo e mantiveram um índice de disbiose negativo consistente com um microbioma saudável.13

Gatos alimentados com uma dieta seca suplementada com o probiótico Bacillus coagulans GBI-30 6086 (BC30) mostraram aumento da diversidade microbiana fecal consistente com um microbioma fecal equilibrado.13

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Dietas secas suplementadas com o probiótico estável ao calor Bacillus coagulans GBI-30 6086 (BC30) podem melhorar o equilíbrio microbiano no microbioma intestinal.

ícone de tratamento da diarreia

Probióticos e simbióticos combatem a diarreia em cães e gatos adultos

Ciência relacionada

A administração de E. faecium SF68 sugeriu um efeito de tratamento aprimorado em comparação com o metronidazol sozinho. Cães em terapia dupla tiveram porcentagens significativamente maiores de dias com fezes normais; uma porcentagem numericamente maior de cães com fezes normais no dia 7; e pontuações de gravidade de diarreia numericamente mais baixas nos dias 5 a 7.6

O uso de um simbiótico resultou em um suposto efeito benéfico no microbioma dos cães e em uma diminuição na prevalência de diarreia em cães que puxam trenós em treinamento. Menos dias de diarreia foram observados quando um surto contagioso presumido de diarreia foi observado nos cães suplementados com o simbiótico durante a semana 5 de tratamento, sugerindo ainda um efeito benéfico.14

Gatos de abrigo suplementados com E. faecium SF68 tiverem menos episódios de diarreia de 2 ou mais dias de duração quando comparado aos gatos alimentados com placebo.15

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

Quando o metronidazol é administrado, administrar o probiótico E. faecium SF68 pode aumentar o efeito do tratamento.

Os simbióticos podem reduzir a prevalência e a duração da diarreia – incluindo diarreia contagiosa – em cães.

O probiótico E. faecium SF68 pode reduzir a duração da diarreia em gatos.

ícone de fígado canino

Probiótico seguro para uso em cães com doença hepática

Ciência relacionada

Administração a curto prazo da cepa probiótica E. faecium SF68 não alterou os níveis de duas enzimas hepáticas primárias e não produziu alterações clinicamente relevantes nas concentrações de colesterol ou triglicerídeos. Isso indica que o probiótico não afetaria os níveis dessas enzimas quando administrado a cães com doença hepática e pode ser o probiótico de escolha em cães com doença hepática.16

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

O probiótico E. faecium SF68 não altera as enzimas hepáticas, colesterol ou triglicerídeos, tornando-o seguro para uso em cães com doença hepática.

ícone de medicamento verde

Os probióticos oferecem benefícios para os tratamentos dos abrigos

Ciência relacionada

A administração de E. faecium SF68 sugeriu um efeito de tratamento aprimorado em comparação com o metronidazol sozinho. Cães de abrigo em terapia dupla tiveram porcentagens significativamente maiores de dias com fezes normais; uma porcentagem numericamente maior de cães com fezes normais no dia 7; e pontuações de gravidade de diarreia numericamente mais baixas nos dias 5 a 7.6

Gatos de abrigo suplementados com E. faecium SF68 tiverem menos episódios de diarreia de 2 ou mais dias de duração quando comparado aos gatos alimentados com placebo. A porcentagem de gatos com diarreia foi significativamente menor no grupo SF68 em comparação com o grupo placebo (7,7% vs 20,7%, respectivamente). A diminuição da prevalência de diarreia poderia, indiretamente, economizar tempo e o dinheiro dos abrigos, bem como melhorar o bem-estar dos animais e a probabilidade de encontrar um lar.15

Gatos de abrigos suplementados com o probiótico Bacillus coagulans GBI-30 6086 (BC30) mostraram uma diminuição significativa na diarreia e uma melhora nos escores fecais.13

fundo azul-marinho desbotado

Como colocar a ciência em prática

A administração do probiótico E. faecium SF68 pode reduzir a prevalência e a duração da diarreia em abrigos. Diminuir a prevalência de diarreia e encurtar os tempos de tratamento pode, indiretamente, economizar tempo e dinheiro dos abrigos, bem como melhorar o bem-estar dos animais e a probabilidade de encontrar um lar.

Explore outras áreas do Fórum sobre Microbioma

fundamentos do microbioma

Fundamentos do microbioma

liderança da Nestlé

Liderança da Nestlé e da Purina em Microbioma

Saiba mais

  1. Belas, A., Marques, C., & Pomba, C. (2020). The gut microbiome and antimicrobial resistance in companion animals. In Duarte, A. & Lopes da Costa, L. (Eds.), Advances in Animal Health, Medicine and Production (1st ed.), pp. 233–245. Springer International Publishing
  2. Torres-Henderson, C., Summers, S., Sucholski, J., E LAPPIN, M. R. (2017). Effect of Enterococcus faecium strain SF68 on gastrointestinal signs and fecal microbiome in cats administered amoxicillin-clavulanate. Topics in Companion Animal Medicine, 32(3), 104–108. doi:10.1053/j.tcam.2017.11.002
  3. American Animal Hospital Association. Judicious therapeutic use of antimicrobials in cats and dogs. https://www.aaha.org/aaha-guidelines/use-of-antimicrobials-configuration/judicious-therapeutic-use-of-antimicrobials-in-cats-and-dogs/. Accessed March 26, 2021.
  4. American Veterinary Medical Association. (2016). Antimicrobial stewardship in companion animal practice. https://www.avma.org/resources-tools/reports/antimicrobial-stewardship-companion-animal-practice-2016. Accessed March 26, 2021.
  5. Rallis, T. S., Pardali, D., Adamama-Moraitou, K. K. & Kavarnos, I. (2016). Effect of Enterococcus faecium SF68® (FortifFlora®) administration in dogs with antibiotic responsive or small intestinal bacterial overgrowth diarrhoea. Hellenic Journal of Companion Animal Medicine, 5(2), 13–16.
  6. Fenimore, A., Groshong, L., Scorza, V. & Lapppin, M. R. (2017). Evaluation of metronidazole with and without Enterococcus faecium SF68 in shelter dogs with diarrhea. Topics in Companion Animal Medicine, 32, 100–103. doi:10.1053/j.tcam.2017.11.001
  7. Kiene, J. A., Dobesh, K., & Lappin, M. (2020). Use of a synbiotic for treating antibiotic-induced diarrhea in cats. Journal of Veterinary Internal Medicine, 34, 2902. doi:10.1111/jvim.15904
  8. Waldron, M., Kerr, W., Czarnecki-Maulden, G. & Davis, J. Supplementation with Enterococcus faecium SF68 reduces flatulence in dogs. Presented at: International Scientific Congress of the European Society of Veterinary and Comparative Nutrition; September 2012; Bydgosczc, Poland
  9. Czarnecki-Maulden, G. L., Cavadini, C., Lawler, D. F. & Benyacoub, J. (2007). Incidence of naturally occurring diarrhea in kittens fed Enterococcus faecium SF68. Compendium: Continuing Education for Veterinarians (Supplement), 29 (2A), 37.
  10. Czarnecki-Maulden, G. L., & Patil, A. R. The effect of trial length on canine fecal microflora response to chicory ingestion. Presented at: Joint Nutrition Symposium; August 2002; Antwerp, Belgium
  11. Czarnecki-Maulden, G. L., & Russell, T. J. (2000). Effect of chicory on fecal microflora in dogs fed soy-containing or soy-free diets. Federation of American Societies for Experimental Biology Journal, 14(4), A488.
  12. Grieshop, C. M., Flickinger, E. A., Bruce, K. J., Patil, A. R., Czarnecki-Maulden, G. L. & Fahey, G. C. (2004). Gastrointestinal and immunological responses of senior dogs to chicory and mannan-oligosaccharides. Archives of Animal Nutrition, 58(6), 483–493.
  13. Internal data, publication anticipated 2021 or 2022.
  14. Gagné, J. W., Wakshlag, J. J., Simpson, K. W., Dowd, S. E., Latchman, S., Brown, D. A.,…Fahey, G. D. (2013). Effects of a synbiotic on fecal quality, short-chain fatty acid concentrations, and the microbiome of healthy sled dogs. BMC Veterinary Research, 9, 246. doi:10.1186/1746-6148-9-246
  15. Bybee, S. N., Scorza, A. V. e Lappin, M. R. (2011). Effect of the probiotic Enterococcus faecium SF68 on presence of diarrhea in cats and dogs housed in an animal shelter. Journal of Veterinary Internal Medicine, 25(4), 856–60. doi:10.1111/j.1939-1676.2011.0738.x
  16. Lucena, R., Novales, M., Blanco, B., Hernández, E., Ginel, P. J. (2019). Effect of probiotic Enterococcus faecium SF68 on liver function in healthy dogs. Journal of Veterinary Internal Medicine, 33, 2628–2634. doi:10.1111/jvim.15625