Fundamentos do microbioma

vilosidades intestinais com bactérias

Os mecanismos de ação dos probióticos são complexos, diversos e específicos da cepa.1,2 A mesma cepa probiótica pode inibir diferentes patógenos usando mecanismos diferentes.3

Além disso, diferentes cepas dentro da mesma espécie podem ter efeitos muito diferentes.2 Os probióticos combinados (consistindo em mais de uma cepa) não são necessariamente mais eficazes do que os probióticos de cepa única.3,4 Os probióticos também são dependentes da dose, portanto, a pesquisa clínica é necessária para estabelecer a quantidade apropriada de uma cepa específica de bactérias necessária para a eficácia.

ícone garantindo a eficácia

Vários probióticos estão disponíveis para animais de estimação, mas poucos têm eficácia comprovada.

Além disso, vários estudos levantaram questões sobre a qualidade e a pureza dos probióticos comercialmente disponíveis para humanos e animais de estimação.1,5-9 Apenas dois de 136 e quatro de 258 probióticos humanos e veterinários avaliados foram representados com precisão no rótulo do produto. Achados adicionais incluíram baixas concentrações de organismos viáveis; não conter um ou mais dos organismos declarados no rótulo; organismos contaminantes; erotulagem não representativa e imprecisa do conteúdo.6-9


Além de atender a todos os critérios para um probiótico eficaz, estudos de estabilidade devem ser realizados para estabelecer que o probiótico (organismos vivos) sobrevive às condições típicas de fabricação, transporte e armazenamento. A extensa pesquisa da Purina nesta área levou ao desenvolvimento de probióticos que são eficazes, estáveis e seguros.

encontrar um probiótico seguro e eficaz
escolha de um probiótico

À medida que a investigação e o conhecimento dos probióticos se expandem, certos probióticos podem não atender a todos os critérios listados acima, mas ainda fornecem benefícios não gastrointestinais específicos para a saúde (como reduzir comportamentos ansiosos ou melhorar a resposta metabólica em indivíduos obesos).

Explore outras áreas do Fórum sobre Microbioma

miniatura centrada no microbioma

Intervenções centradas em microbioma para condições de saúde dos animais de estimação

miniatura da liderança da Nestlé

Liderança da Nestlé e da Purina em Microbioma

Saiba mais

  1. Cunningham, M., Azcarate-Peril, M. A., Barnard, A., Benoit, V., Grimaldi, R., Guyonnet, D.,…Gibson, G. R. (2021). Shaping the future of probiotics and prebiotics. Trends in Microbiology, 29(8), 667—685. doi:10.1016/j.tim.2021.01.003
  2. Barros, C. P., Guimarães, J. T., Esmerino, E. A., Duarte, M. C. K. H., Silva, M. C., Silva, R.,…Cruz, A. G. (2020). Paraprobiotics and postbiotics: concepts and potential applications in dairy products. Current Opinion in Food Science, 32, 1–8. doi:10.1016/j.cofs.2019.12.003
  3. Kekkonen R. A.,Kajasto, E., Miettinen, M., Veckman, V., Korpela, R., & Julkunen, I. (2008). Probiotic Leuconostoc mesenteroides ssp. cremoris and Streptococcus thermophilus induce IL12 and IFN-γ production. World Journal of Gastroenterology, 14, 1192–1203.
  4. Viljanen, M., Kuitunen, M., Haahtela, T., Juntunen-Backman, K., Korpela, R., & Savilhati, E. (2005). Probiotic effects on faecal inflammatory markers and on faecal IgA in food allergic atopic eczema/dermatitis syndrome infants. Pediatric Allergy and Immunology, 16, 65–71.
  5. Rolfe, R.D. (2000). The role of probiotic cultures in the control of gastrointestinal health. Proceedings of the Probiotic Bacteria: Implications of Human Health Symposium. Journal of Nutrition, 130, 396S–402S.
  6. Weese, J. S. (2002). Microbiologic evaluation of commercial probiotics. Journal of the American Veterinary Medical Association, 220, 794–797.
  7. Weese, J. S., & Arroyo, L. (2003). Bacteriological evaluation of dog and cat diets that claim to contain probiotics. Canadian Veterinary Journal, 44, 212–215.
  8. Weese, J. S. (2003). Evaluation of deficiencies in labeling of commercial probiotics. Canadian Veterinary Journal, 44, 982–983.
  9. Weese, J. S., & Martin, H. (2011). Assessment of commercial probiotic bacterial contents and label accuracy. Canadian Veterinary Journal, 52,43–46.